Variante Delta do coronavírus é identificada em Mossoró e IMT alerta circulação no RN

Foto: Anastácia Vaz

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) identificou a variante delta do novo coronavírus em quatro amostras coletadas entre os dias 27 e 30 de agosto, na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Como a unidade acadêmica já havia comprovado a nova variante no município de Natal, em agosto, a diretora do IMT-UFRN, Selma Jerônimo, alerta para o indicativo de que a variante está circulando pelo estado.

De um total de oito amostras coletadas, quatro confirmaram a presença da variante delta em Mossoró. O resultado final do sequenciamento foi realizado no dia 12 de setembro, cujo trabalho foi desenvolvido pelo IMT-UFRN com recursos de projeto de pesquisa e colaboração com o Getúlio Sales Diagnósticos. Atualmente, a unidade sequenciou 64 genomas do SARS-CoV-2 provenientes de amostras do Rio Grande do Norte e prevê realizar a análise de mais 96 amostras.

“A confirmação da delta em Mossoró demonstra a capacidade de transmissão da variante”, avalia Selma Jerônimo, considerando que a identificação de novas variantes é frequente, em virtude da fácil mutação do RNA do vírus. Nessa perspectiva, a cientista reforça que é preciso manter os cuidados na prevenção, como o uso de máscara, distanciamento social e a higiene das mãos, bem como cumprir com o esquema de vacinação contra a covid-19.

A UFRN já realizou 177.303 mil testes RT-PCR, sendo 151.803 mil pelo IMT-UFRN e 12 mil pela Faculdade de Ciências da Saúde (Facisa-UFRN), além de 13.500 mil testes sorológicos. O Instituto de Medicina Tropical também realiza um estudo de soroprevalência em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS), para avaliar a quantidade de pessoas com resposta de defesa ao vírus, entre vacinadas e as que tiveram infecção natural pela covid-19.