Sesap apresenta recomendações para cuidados com a dengue

O Programa Estadual de Combate a Dengue da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), dentro de sua estratégia de prevenção e vigilância epidemiológica, reforça para a população e gestores de saúde alguns cuidados básicos com a dengue. 
Eliminar os criadouros do mosquito Aedes aegypti é uma das principais medidas no combate a dengue. Não jogar o lixo em terrenos baldios e evitar recipientes que acumulem água são ações simples e que estão ao alcance da população. Ao se sentir doente é importante não se automedicar e procurar o serviço de saúde mais próximo de casa.

Os gestores de saúde dos municípios precisam ficar atentos para a alimentação imediata dos sistemas de informação nacionais do Ministério da Saúde, o SISFAD e o SINAN. E também estabelecer processos de mobilização contínuos da comunidade como forma de garantir atitudes diárias de eliminação de criadouros para o Aedes aegypti. 

A Sesap orienta ainda que as operações de Ultra Baixo Volume - UBV pesado (“carro-fumacê”) são a última alternativa a ser procurada pelo poder público para o combate a dengue, já que possui um caráter emergencial, temporário e transitório. 

A técnica do Programa Estadual de Combate a Dengue, Lúcia de Fátima Araújo, explica. “A operação com o UBV não é o que acaba a dengue, apenas controla temporariamente uma epidemia. Se as ações de rotina, tanto da prefeitura como da população, não forem realizadas eliminando os focos, as operações de UBV perdem a sua eficácia. Portanto, valorizem as ações de rotina e de prevenção, pois só através delas é que conseguiremos combater e controlar a dengue”, finalizou. 

Números

No último dia 3 de agosto o Programa Estadual de Combate a Dengue apresentou os números mais recentes da doença no Estado. Até a Semana Epidemiológica 28, que corresponde aos dados notificados até o dia 14 de julho, o RN acumula o registro de 24.165 casos suspeitos da doença, com uma diminuição de 18,53% em relação ao ano de 2011. Do total de casos suspeitos, 7.276 casos foram confirmados, com cinco óbitos.
O Rio Grande do Norte possui 91 municípios com incidência alta da doença. Os cinco municípios com maior número de casos suspeitos são: Natal (8.679 suspeitos), Mossoró (1.876), Parnamirim (1.487), João Câmara (813) e Ceará-Mirim (650).

Fonte: DNOnline