Governo do RN lança sistema que vai monitorar distribuição e aplicação de vacinas contra Covid-19 no estado

Foto: Elisa Elsie/Governo do RN

O governo do Rio Grande do Norte lançou um programa que vai monitorar todo o processo de vacinação, desde a distribuição dos imunizantes contra a Covid-19 até a a aplicação nos postos municipais. A iniciativa segue o modelo do Regula RN - um programa que atualmente permite acompanhar a ocupação de leitos de assistência aos infectados pelo novo coronavírus em tempo real pela internet.

O sistema foi elaborado em parceria com o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e apresentado nesta quinta-feira (14) a representantes dos Ministérios Públicos Estadual, Federal e do Trabalho. Após discutir e aperfeiçoar estratégias com os órgãos fiscalizadores, o governo anunciou que vai apresentar o programa à sociedade nesta sexta (15).

"É um sistema que traz transparência e seriedade no acompanhamento de todo o percurso da vacina - da chegada ao estado até a aplicação junto ao cidadão nos municípios. E queremos o apoio dos Ministérios Públicos, que consideramos fundamental para o sucesso da iniciativa", afirmou a governadora Fátima Bezerra (PT), que afirmou que a iniciativa é pioneira.

O RN + Vacina deve permitir um processo simples, transparente e inteligente, segundo o coordenador do LAIS, Ricardo Valentim. "O programa tem a perspectiva de dar transparência a todos os municípios no acesso às informações. Com ele vamos saber o caminho percorrido pela vacina até chegar ao braço do cidadão. E permitirá também identificar possíveis desvios e correções", explicou.

Pesquisador do LAIS, Fernando Lucas de Oliveira disse que o novo programa também vai melhorar a atuação de quem estará nas salas de vacina e da gestão da saúde pública, por que simplifica o acompanhamento da aplicação das doses e o controle em tempo real. "O gestor público poderá acompanhar o índice de vacinação em cada sala e corrigir possíveis dificuldades", afirmou, acrescentando que outra vantagem será identificar quantas doses estão nas centrais e nas salas de vacinação, quantas foram aplicadas, quantas perdidas e corrigir alguma distorção".

O cidadão poderá acessar o RN + Vacina, inclusive pelo celular, mediante cadastro. O programa também vai disponibilizar o acesso a informações sobre vacinas e um cartão virtual de vacinação.

Como vai funcionar

Em entrevista ao Bom Dia RN, da Inter TV Cabugi, Ricardo Valentim afirmou que a tecnologia vai permitir que o estado organize a distribuição e o controle das vacinas, para evitar por exemplo, que pessoas furem a fila. O sistema vai controlar o material desde à central de distribuição até as salas de vacinação.

"Temos um painel para os órgãos de fiscalização, outro painel para os gestores municipais, para as autoridades sanitárias municipais e do estado acompanharem toda essa logística. Então nós vamos conseguir rastrear a vacina, em qual paciente ela foi aplicada e qual lote. Para evitar o desperdício, para garantir que chegue primeiro às pessoas prioritárias, respeitando os critérios, o sistema também vai permitir que essa rastreabilidade em tempo real. O extravio de vacinas é mais difícil quando a gente consegue medir esses controles". apontou.

Ainda de acordo com o pesquisador, o sistema vai poder gerir todas as vacinas contra Covid-19 que chegarem ao estado e ficará de legado, após a pandemia, para controle de outras imunizações no estado.

Valentim ainda afirmou que os cidadãos poderão fazer cadastro no sistema, a partir do próximo dia 18, permitindo também que a gestão pública possa conhecer melhor o público e melhorar o gerenciamento e planejamento de vacinação. Ainda de acordo com ele, o sistema terá sistemas de alarme para evitar que lotes se vençam sem serem aplicados, ou avisar quando determinada pessoa precisa tomar a segunda dose, por exemplo.

Uma das ferramentas será o vacinômetro, que vai apontar o percentual da população que está vacinado, em cada município e no estado. Conforme o coordenador do Lais, o sistema estará integrado às plataformas de Saúde da União.

Por G1 RN