Capacitação sobre tuberculose é desenvolvida para profissionais da região

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (SESAP) está desenvolvendo durante esta semana uma capacitação sobre o tratamento e controle da Tuberculose. A capacitação faz parte de uma série que está acontecendo nas Unidades Regionais de Saúde Pública (URSAPs).

Como são 21 municípios jurisdicionados, a capacitação na 5ª URSAP foi dividida em dois momentos: de segunda (15) até a quarta (17) pela manhã com os profissionais do Trairi e de quarta (17) à tarde até esta sexta-feira (18) com os profissionais do Potengi.

O principal assunto discutido é o manejo dos pacientes com tuberculose e fazer com que eles mantenham o tratamento até o final, um dos principais problemas detectados no tratamento realizado no Rio Grande do Norte. Estão participando do encontro médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, alunos dos cursos da área da saúde de Santa Cruz, Agentes Comunitários de Saúde, entre outros profissionais.

Segundo a coordenadora estadual do programa de tuberculose, Marta Santos a capacitação é importante para os profissionais ajudarem no tratamento dos pacientes com Tuberculose. “O trabalho tem que ser contínuo e é isso que estamos fazendo para que a população pode ser um atendimento de qualidade”, explicou.

A cada ano que passa, o Estado tem ampliado o serviço de controle da Tuberculose objetivando estimular a notificação da doença e a população a procurar uma unidade de saúde se já estiver com os primeiros sintomas. No ano passado foram registrados 1.192 casos da doença. A cada ano o número de notificações tem aumentado, pois as secretarias estão intensificando o trabalho para informar o número de casos.

A região jurisdicionada pela 5ª URSAP de Santa Cruz é uma das que tem menos casos notificados no Estado. Segundo dados da URSAP, no ano passado foram notificados 18 casos na região e quatro casos em Santa Cruz.

O trabalho contra a Tuberculose será continuo e feito em todas as partes do Rio Grande do Norte. Na região o trabalho será intensificado para melhorar as notificações e ampliar o trabalho contra a doença. Além disso, o manejo no tratamento dos pacientes será foco de discussão em todos os encontros, pois o bom atendimento estimulará os pacientes a efetuar o tratamento até seu fim, com duração de seis meses.