Brasil prevê 140 milhões de doses no 1º semestre e vacinação contra a Covid-19 vai exigir CPF

Foto: Divulgação

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, disse nessa quinta-feira (8) que o Brasil tem a previsão de oferecer, ao menos, 140 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021. Segundo Élcio Franco, diante do atual estágio dos testes, a previsão é que a vacinação comece no primeiro trimestre do próximo ano.

O governo ainda estuda em um comitê como será o programa nacional de vacinação, mas já prevê o cadastro obrigatório de CPF das pessoas vacinadas para monitoramento de eventuais reações.

"Diferente de outras campanhas, ela exigirá a identificação do cidadão, através do uso do CPF. Esse registro vai permitir o monitoramento constante de eventos adversos, todos os sistemas de comunicação estarão conectados", disse Jacson Venâncio de Barros, diretor do Departamento de Informática do SUS.

Ainda de acordo com Barros, está em desenvolvimento um modelo de certificado de vacinação em PDF com dados em QRCode. Ele será emitido em uma plataforma do Sistema Único de Saúde (SUS): cada vacinado poderá salvar ou compartilhar o comprovante, e o documento poderá ser validado por terceiros, inclusive com uso de uma chave de segurança para garantir a autenticidade.

140 milhões de doses

A previsão de 140 milhões de doses considera duas fontes de fornecimento: uma será o acordo fechado pelo Brasil com a iniciativa COVAX Facility, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Além dele, o governo também já fechou contrato com a AstraZeneca/Universidade de Oxford.

Com a COVAX o governo prevê doses para vacinar 20.242.106 pessoas, sendo elas de três grupos: indivíduos com 80 ou + (4.441.053), pessoas com morbidades (10.766.989) e trabalhadores de saúde (5.034.064).

Todas as vacinas candidatas do portifólio COVAX preveem a aplicação de duas doses para imunização completa, assim como ocorre com o imunizante projetado pelos parceiros AstraZeneca/Oxford. Assim, a estimativa de 140 milhões de doses seria suficiente para imunizar cerca de 70 milhões de brasileiros, ou seja, 33% da população. O governo ainda prevê a produção própria de doses no segundo semestre e ainda avalia novos acordos com outros fornecedores.

Por G1