Nove dias após Bolsonaro atacar urnas em fala a embaixadores, Lira diz confiar no sistema eleitoral

Por Gustavo Garcia e Wellington Hanna, g1 e TV Globo — Brasília

Nove dias após o presidente Jair Bolsonaro ter reunido embaixadores no Palácio da Alvorada para atacar as urnas eletrônicas, o processo eleitoral e ministros do Supremo Tribunal, o presidente da Câmara, Arthur Lira, quebrou o silêncio sobre o episódio.

Sem mencionar o encontro com os embaixadores, Lira disse — em discurso durante a convenção do PP que aprovou a coligação com o PL e o apoio à reeleição do presidente — confiar no sistema eleitoral e defender a democracia e eleições transparentes. Aliado de Bolsonaro, ele não manifestado desde então sobre as declarações do presidente.

"Nesses últimos dias — eu não queria aproveitar o momento, formal e festivo, para fazer qualquer tipo de justificativa pública ou privada —, mas eu queria só deixar um recado bem claro, óbvio. E quem me conhece de maneira transparente e reluzente, como a gente diz no Nordeste, a Câmara dos Deputados fala quando é necessário falar. Não quando querem obrigá-la a falar. Eu dei mais de 20 mensagens mundo afora e no Brasil de que sempre fui a favor da democracia e de eleições transparentes e confio no sistema eleitoral", disse Lira.

Ele ainda complementou: "Não precisa qualquer movimento público ou político fazer com que isso se apresente de maneira sempre necessária. Instituições no Brasil são fortes, perenes e não são e nunca serão redes sociais. Não podemos banalizar as palavras das autoridades no Brasil. Não farão isso com a Câmara enquanto eu for presidente", declarou.

Na saída da convenção do PP, o ministro-chefe da Casa Civil e presidente licenciado do partido, senador Ciro Nogueira (PP-PI), disse acreditar que as urnas eletrônicas são confiáveis, mas que o sistema precisa de aperfeiçoamento.

"Acredito [nas urnas], só não acho que elas são infalíveis. Isso aí eu sempre disse. Não há nada que não possa ser aperfeiçoado. Mas eu acredito totalmente", afirmou.

Sem citar as declarações de Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas, Ciro Nogueira também afirmou que espera que o Tribunal Superior Eleitoral seja sensível à "transparência" e "aperfeiçoamento" do sistema eleitoral. "Quanto mais transparência e aperfeiçoamento, melhor", afirmou o ministro.

Bolsonaro

Na convenção em que foi aprovada a coligação do PP com o PL, Bolsonaro também disse defender a democracia. Após os seguidos ataques do presidente às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral, nesta semana foi divulgada uma carta em defesa da democracia e do processo eleitoral que já conta com 100 mil assinaturas.

"Defendemos a democracia. Não precisamos de nenhuma cartinha para falar que defendemos a democracia. Não precisamos, então, de apoio ou de sinalização de quem quer que seja para mostrar que o nosso caminho é a democracia, a liberdade, é o respeito à Constituição", afirmou Bolsonaro.