Covid-19: Pazuello diz que governo almeja vacinar toda a população brasileira em 2021

O Globo com Reuters

 Em mais uma sinalização de mudança no discurso do Ministério da Saúde sobre a vacinação contra a Covid-19, o chefe da pasta, ministro Eduardo Pazuello, declarou nesta quinta-feira em entrevista à rádio Jovem Pan que o Brasil pretende imunizar toda a população brasileira em 2021. Ontem, menos de 24 horas após uma tensa reunião com governadores sobre o Plano Nacional de Imunização (PNI), Pazuello sugeriu que os trabalhos poderiam começar ainda neste mês.

Na mesma entrevista, o ministro da Saúde reforçou que a pasta poderá comprar a vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo de São Paulo, caso a fórmula seja autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O imunizante virou pivô de um cabo de guerra entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador paulista, João Doria (PSDB).

Trata-se da declaração mais enfática de Pazuello sobre a estratégia de imunização do governo federal até o momento. Na última semana, após a aprovação da vacina da Pfizer pelo governo do Reino Unido e a publicação de indicativos promissores da vacina CoronaVac, cresceu a pressão de governadores e prefeitos eleitos sobre o Ministério da Saúde por novas frentes de estratégia. Até o momento, o governo federal firmou acordo apenas com o laboratório britânico AstraZeneca.

Além disso, o Brasil aderiu à Covax Facility, coalizão internacional liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que poderá abrir caminho para a vacina da Moderna no país, caso a fórmula seja comprovadamente eficaz e segura contra o novo coronavírus.

Ontem, Pazuello disse à CNN Brasil que o um acordo entre o governo e a farmacêutica americana Pfizer, ainda está em negociação, mas sugeriu que um martelo batido poderia viabilizar o início da imunização do país em menos de um mês, mediante o registro para uso emergencial do imunizante. Segundo o ministro, 500 mil doses da vacina da Pfizer serão entregues em janeiro.

— Se a Pfizer conseguir a autorização emergencial e a Pfizer nos adiantar alguma entrega, isso (o início da vacinação) pode acontecer no final de dezembro ou em janeiro. Isso em quantidades pequenas, de uso emergencial — afirmou Pazuello na entrevista à CNN Brasil. — Isso pode acontecer com a Pfizer, com o Butantan (referindo-se à vacina CoronaVac), com AstraZeneca (referindo-se à vacina de Oxford), mas é foro íntimo da desenvolvedora, não é uma campanha de vacinação."