Taxa de isolamento social no RN chega a 39% no fim de semana; estado tem pior índice do NE

 

Foto: Reprodução/In Loco

O Rio Grande do Norte tem o pior índice de cumprimento do isolamento social entre os estados do Nordeste. No Brasil, o estado potiguar ocupa a 5ª posição entre os que menos têm adotado as medidas do afastamento, que são utilizadas para reduzir o avanço da pandemia do novo coronavírus.

O levantamento é realizado pela empresa de tecnologia In Loco, que tem feito um acompanhamento nacional sobre o assunto, com base em dados de 60 milhões de brasileiros, usuários de vários aplicativos de smartphones.

Segundo o estudo, neste sábado (9) o índice do RN na escala de cumprimento das medidas de isolamento era de 39,6%. A pior taxa do Brasil foi a de Goiás: 37,45%. No domingo (10), o índice potiguar chegou a 43%, contudo continuou nas mesma posições nas tabelas regional e nacional, porque os demais estados também cresceram alguns pontos percentuais.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), restringir a circulação de pessoas é a alternativa mais eficaz contra a propagação do vírus e é também a única forma que os governos têm para conter o avanço da pandemia.

Os dados preocupam a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), porque, segundo a pasta, o isolamento social é “decisivo” na redução de casos da Covid-19. “O isolamento social é decisivo pra o que vai acontecer daqui há alguns dias. Nós falamos muito claramente há mais ou menos 10 dias que o aglomerado da rua ia ter consequência e que nós iríamos, na nossa política estratégica de ampliação de leitos, tentar acompanhar ou tentar ainda ficar à frente do número de casos que iam surgir”, declarou o secretário adjunto da Sesap, Petrônio Spenelli, durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (11).

De acordo com Spinelli, sem o afastamento social o Poder Executivo não tem capacidade de lidar com a demanda de infectados. “Alertamos naquela época e continuamos alertando: sem isolamento social não existe governo de nenhum lugar do mundo que tenha leito suficiente. Abaixar a taxa de isolamento social é prenúncio muito grave do que vai acontecer daqui a sete, dez dias”, complementou.

Coleta de dados

A tecnologia da In Loco é embarcada em aplicativos de parceiros e clientes (bancos e grandes varejistas, por exemplo). Os usuários que voluntariamente instalam esses softwares podem ou não permitir a coleta de dados pela In Loco, que informa claramente as finalidades previstas na sua política de privacidade.

A única informação coletada é a localização dos celulares, que é utilizada para fins de autenticação e verificação de segurança e anti-fraude, além de contagem de visitas em determinados estabelecimentos.

"Toda essa captação é feita sem identificar as pessoas. A tecnologia da In Loco foi desenvolvida de forma a não coletar dados de identificação civil, como nome, RG, CPF e e-mail", explicaram representantes da empresa. Os dados anônimos de localização coletados são agregados e transformados em estatísticas que são compartilhadas com órgãos públicos.

Por Rafael Barbosa e Fernanda Zauli, G1 RN