Prova de vida para o INSS deixa de ser exigida presencialmente

 

Marcello Casal Jr

Por Gabriel Brum - Repórter da Rádio Nacional 

A prova de vida de aposentados e pensionistas do INSS será feita, a partir de agora, com cruzamento de dados das bases do governo. Com isso, a pessoa não precisa mais fazer o procedimento presencialmente. A portaria com as mudanças foi assinada nesta quarta-feira (2) pelo presidente Jair Bolsonaro.

As bases de dados para prova de vida incluem registros de vacinação, consultas no SUS, comprovantes de votação, emissão de passaporte, carteira de identidade ou de motorista. Segundo o presidente do INSS, José Carlos Oliveira, até transações privadas servirão como prova.

Segundo o presidente do INSS, mesmo que não seja encontrado um movimento do cidadão nessas bases, a pessoa não vai precisar se apresentar presencialmente. O instituto fará o atendimento na residência do segurado.

Cerca de 36 milhões de beneficiários fazem a prova de vida todos os anos. Desses, cerca de 5 milhões têm mais de 80 anos de idade. O presidente Bolsonaro destacou os desafios enfrentados por beneficiários mais velhos, que têm dificuldade para se deslocar.

A prova de vida serve para evitar fraudes e pagamentos indevidos. As mudanças valem para os beneficiários que fizerem aniversário a partir da data da publicação da portaria. O Instituto tem até o dia 31 de dezembro deste ano para implementar as novidades. Até lá, o bloqueio de pagamento por falta da comprovação de vida fica suspenso, segundo Ministério do Trabalho.