Censo 2022 começa em todo o país

Foto: Reprodução/RPC

Por Daniel Silveira e Darlan Alvarenga, g1

A população brasileira começou a ser recontada, de forma detalhada, nesta segunda-feira (1º). Foi dado início à coleta domiciliar do Censo Demográfico 2022, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Até o início de novembro, mais de 183 mil recenseadores, devidamente identificados, estarão nas ruas de todos os 5.570 municípios brasileiros. A missão deles é entrevistar um morador de cada domicílio do país. Ao todo, segundo o IBGE, eles visitarão 89 milhões de endereços, sendo residenciais cerca de 75 milhões.

"Não deixaremos ninguém para trás. Mas, para isso, contamos muito com o apoio da cidadã e do cidadão brasileiros", declarou o presidente do IBGE, Eduardo Rios Neto , que pediu aos para que "recebam o IBGE" em suas casas.

A última contagem da população brasileira foi realizada entre agosto e novembro de 2010. Naquele ano, os brasileiros formavam um contingente de quase 191 milhões de pessoas. As projeções do IBGE sugerem que esse número aumentou cerca de 13% nos últimos 12 anos, elevando para 215 milhões o número de habitantes no Brasil.

Além saber exatamente qual o tamanho da população, o Censo visa tirar uma fotografia detalhada dos brasileiros, mostrando suas principais caraterísticas socioeconômicas, incluindo idade, sexo, cor ou raça, religião, escolaridade, renda e saneamento básico dos domicílios.

Diante da dimensão continental do Brasil e do tamanho de sua população, o Censo realizado pelo IBGE é considerado uma das maiores operações censitária do mundo e segue recomendações da Organização das Nações Unidas (ONU), que sugere a todos os países uma série de perguntas que devem ser respondidas pela própria população.

“Nós estamos seguindo isso [recomendado pela ONU] e ainda acrescentando informações que são importantes para acompanhar a realidade brasileira”, afirmou o diretor de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo.

Azeredo enfatizou que as informações sobre a população são essenciais para a definição de políticas públicas e realização de investimentos públicos e privados.

Dois anos de atraso

O Censo 2022 acontece com dois anos de atraso. Por lei, o levantamento censitário deve ser realizado no país a cada dez anos e, portanto, deveria ter sido feito em 2020, mas foi adiado para o ano seguinte. Já em 2021, precisou sofreu novo adiamento, por falta de orçamento.

Após determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo federal liberou os R$ 2,3 bilhões solicitados pelo IBGE.

O IBGE escolheu o Museu do Amanhã, no Centro do Rio, para ser palco da solenidade de lançamento do Censo 2022. "Estaremos garantindo o amanhã através de um retrato do hoje com o censo demográfico da população brasileira", disse o presidente do IBGE, Eduardo Rios Neto, em alusão ao emblemático museu.

A coleta de informações sobre a população, no entanto, teve início horas antes distante quilômetros do Centro carioca. Segundo o diretor de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, os primeiros questionários foram respondidos, ainda na madrugada, no interior de São Paulo: o primeiro em Limeira e o segundo em São José dos Pinhais.

A importância das informações censitárias

Até o início de novembro, os recenseadores estarão visitando cada um dos domicílios do país, incluindo aldeias indígenas. Além disso, pela primeira vez, os moradores de territórios quilombolas serão contabilizados.

A coleta domiciliar nas áreas indígenas começa em 10 de agosto, e a dos territórios quilombolas, em 17 de agosto.

Segundo o IBGE, os primeiros resultados do Censo 2022 estão previstos para serem divulgados ainda no final deste ano. Outras análises e cruzamentos de dados serão divulgados ao longo de 2023 e 2024.

Segundo o diretor de Geociências do IBGE, Claudio Stenner, o Censo representa a integração entre a informação estatística e geográfica. “É só no Censo que a gente consegue fazer a articulação de três escalas de características: do entorno onde os domicílios estão localizados, dos domicílios em si e das pessoas que vivem nesses domicílios. Então, essa é a única pesquisa em que a gente consegue mostrar a diversidade de situações que existem nas cidades e ter um cenário muito mais completo e integrado do território brasileiro e sua população”, avalia.

Questionário básico levará 5 minutos para ser respondido, diz IBGE

No Censo 2022, há dois tipos de questionário: o básico, com 26 quesitos, leva em torno de 5 minutos para ser respondido, segundo o IBGE. Já o questionário ampliado, com 77 perguntas e respondido por cerca de 11% dos domicílios, leva cerca de 16 minutos.

A seleção da amostra que irá responder o questionário ampliado será aleatória e feita automaticamente no Dispositivo Móvel de Coleta (DMC) do recenseador.

O questionário básico traz os seguintes blocos de perguntas: identificação do domicílio, informações sobre moradores, características do domicílio, identificação étnico-racial, registro civil, educação, rendimento do responsável pelo domicílio, mortalidade. Já o questionário da amostra, além dos blocos contidos no questionário básico, investiga também: trabalho, rendimento, nupcialidade, núcleo familiar, fecundidade, religião ou culto, pessoas com deficiência, migração interna e internacional, deslocamento para estudo, deslocamento para trabalho e autismo.

Foto: Reprodução/IBGE