Eleitor tem 60 dias para justificar falta

No segundo turno deste ano, mais de 410 mil eleitores do Rio Grande do Norte deixaram de comparecer aos locais de votação. A partir desta segunda-feira, eles terão até 60 dias para justificar a falta  no cartório eleitoral de sua cidade. Quem não justificou a ausência nas urnas no primeiro turno deve fazer isso até o dia 4 de dezembro. O prazo para quem não votar nem justificar a ausência neste segundo turno, termina no dia 26 de dezembro.

Enquanto não regularizar a situação, o eleitor fica privado de uma série de serviços. Ele não poderá se inscrever em concurso ou prova para cargo ou função pública, nem tomar posse se aprovado. Também fica proibido de receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público; participar de concorrência pública ou administrativa da União, dos Estados, dos Territórios, do Distrito Federal ou dos Municípios, ou das respectivas autarquias; obter empréstimos nas autarquias, sociedades de economia mista, caixas econômicas federais ou estaduais, nos institutos e caixas de previdência social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo, ou de cuja administração este participe, e com essas entidades celebrar contratos.

Outras consequências são a impossibilidade de obter passaporte ou carteira de identidade; renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo e praticar qualquer ato para o qual se exija a quitação do serviço militar ou imposto de renda.

Votação

Até o final da tarde de  domingo, 2.823 urnas eletrônicas foram substituídas em todo o país, de acordo com o quinto boletim divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com informações sobre o andamento do segundo turno das Eleições 2014. Esse número corresponde a 0,65% do total das 434.057 urnas disponibilizadas para o pleito (428.894 urnas de votação e 5.163 urnas de recepção de justificativas). Ao todo, mais de 530 mil urnas estão à disposição da Justiça Eleitoral, das quais 61.438 são urnas de contingência e, o restante, são urnas de reserva, que ficam armazenadas nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). No Rio de Janeiro foi computado o maior número de urnas substituídas, no total, até agora, de 387. Em seguida vem São Paulo, onde foram substituídas 335 urnas e, o Rio Grande do Sul, com 257 substituições.

Proporcionalmente ao número de eleitores, os estados que mais substituíram urnas foram Sergipe (1,69% do total no estado), Distrito Federal (1,39%) e Rio Grande do Norte (1,17%). Uma seção no estado de São Paulo registrou votação manual neste domingo,  além de outra em Minas Gerais.

Números

410,9 mil eleitores inscritos no Rio Grande do Norte não compareceram às urnas.
1,9 milhão de norte-rio-grandenses votaram nesse domingo para presidente e governador.

TN Online


Imprimir