No 1º ano da pandemia, RN teve o menor número de mulheres assalariadas da última década

Em 2020, primeiro ano da pandemia, as empresas e organizações do Rio Grande do Norte tinham 229.898 mulheres ocupadas, a menor quantidade registrada nos últimos 10 anos.

Os dados são da pesquisa Estatísticas do Cadastro Central de Empresas – 2020 (Cempre 2020), e foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comparado a 2019, a queda foi de 4%, o que significa uma redução de cerca de 10 mil mulheres ocupadas. Em relação aos homens, o número de assalariados foi de 298 mil, ocorrendo uma redução de pouco mais de mil trabalhadores quando comparado aos números de 2019.

Pessoal ocupado com nível superior completo é o maior da série histórica

Em 2020, o Rio Grande do Norte tinha 124 mil pessoas assalariadas com nível superior ocupadas em empresas e outras organizações. Em 2019, esse número era de 123 mil. O crescimento significou um recorde na série histórica, iniciada em 2006.

Em contrapartida, o pessoal ocupado sem nível superior completo caiu 2,9% em 2020 e atingiu a marca de 403 mil pessoas. Em 2019, esse número era 415 mil.

98% das empresas no RN são micro e pequenas empresas

Os dados do Cempre 2020 mostram que, no Rio Grande do Norte, 98% das empresas potiguares estão na faixa das microempresas e pequenas empresas, isto é, que operam com menos de 10 pessoas.

Dentro desse grupo, 41.077 empresas estão na faixa de 0 a 4 funcionários e 8.600 estão na faixa de 5 a 9 funcionários. Para a primeira faixa, é o maior número registrado desde o ano de 2006.

Nas pequenas empresas, isto é, as que operam com 10 a 49 funcionários, há 6.179 atuando no Rio Grande do Norte, o que equivale a 11% e representa a menor quantidade desde 2012.

Nas médias empresas, que são as que possuem de 50 a 250 funcionários, a representação é de cerca de 1,4% no estado, contando com 784 unidades. As grandes empresas (mais de 250 funcionários) são 281 no estado e representam 0,5% do total.

Fazem parte do Cempre as empresas e outras organizações (administração pública e entidades sem fins lucrativos) formalmente constituídas no Brasil e em suas respectivas unidades locais (endereços de atuação das empresas e outras organizações). Os MEIs não são considerados na pesquisa.

Por g1 RN