Mantega prevê aumento de até 14% para o mínimo em 2012

O salário mínimo poderá ter aumento "de 13% ou 14%" em 2012, sem pressionar a inflação, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega. "Aumento do salário mínimo não é inflacionário. Tem sido absorvido pela economia", neste e em governos anteriores, comentou ele.

Segundo Mantega, ano que vem, o salário deverá incorporar o ganho real do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010, uma vez que este ano teve a influência do PIB negativo de 2009, por causa da crise financeira internacional.

"Temos que ter cuidado com a Previdência, mas o déficit previdenciário está diminuindo", por conta do aumento do emprego. "Mas é suportável, sim, dar aumento para o salário mínimo", continuou.

Ao encerrar audiência de quatro horas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, o ministro comentou que o excesso de dólares que entra no país deriva do excesso de liquidez no mercado internacional.

Ele mencionou medidas que o governo tem adotado para minimizar a valorização do real, como a taxação com o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

"Nenhuma medida está descartada. Em matéria de câmbio usaremos as medidas que forem necessárias. Os mercados são muito criativos. Você fecha uma porta, eles acham outra. Mas temos respondido, sim, fechando portas", disse ele aos parlamentares.

Mantega também comentou que a despeito da guerra cambial, "cair no protecionismo seria um retrocesso".

UOL